Mosteiro São José

Horário de atendimento:

8:30 às 11h - 14h às 16:30
Missas diariamente às 07:30

 

Santos do dia

Pedidos de oração

Informativos

06/09/2018

Amor incondicional

“Aspirando a sermos Vítimas de caridade,  como a nossa Santa Madre Teresa,  é preciso deixar-nos enraizar  na caridade de Jesus Cristo, como diz S. Paulo.  E como assim? Vivendo sempre e no  meio de todas as coisas,  com Aquele que habita  em nós e que é caridade”. Santa Elisabete da Trindade
08/05/2018

Leiam a Bíblia

“Hoje se pode ler o Evangelho também com muitos instrumentos tecnológicos. Pode-se trazer consigo toda a Bíblia num telefone celular, num tablet. O importante é ler a Palavra de Deus, com todos os meios, e acolhê-la com o coração aberto. E então a boa semente dá fruto!” Papa Francisco  
03/05/2018

Jubileu de Ouro

Dia 1° de maio sob o patrocínio de São José Operário, celebramos os 50 anos de Profissão Religiosa da nossa Irmã Ângela Maria de Jesus Eucarístico. Louvamos a Deus por tantas graças recebidas no decorrer destes anos, pelo seu SIM generoso, fecundo e fiel a Cristo, à Igreja e aos Irmãos.

Papa Francisco aos consagrados: Sejam fecundos graças à oração, pobreza e paciência.

Papa Francisco aos consagrados:  Sejam fecundos graças à oração, pobreza e paciência.

“A oração na vida consagrada é o ar que nos faz respirar o chamado, renovar o chamado. Sem este ar não podemos ser bons consagrados".

 Colunas da vida consagrada

 “Quais são as coisas que o Espírito quer que se mantenham fortes na vida consagrada?”, perguntou o Papa, recordando três critérios autênticos, pilares da vida consagrada: oração, pobreza e paciência.

 Oração

“A oração é voltar sempre ao primeiro chamado”, ao encontro com o Senhor que chamou o consagrado a deixar tudo: mãe, pai, família e carreira para segui-Lo de perto. “Toda oração é voltar a isso, ao sorriso dos primeiros passos.”

“A oração na vida consagrada é o ar que nos faz respirar o chamado, renovar o chamado. Sem este ar não podemos ser bons consagrados. Seremos talvez pessoas boas, bons cristãos, bons católicos que trabalham em muitas obras da Igreja, mas a consagração deve ser renovada continuamente ali, na oração, no encontro com o Senhor.”

 “Não é possível viver a vida consagrada e discernir o que está acontecendo sem conversar com o Senhor.”

 Pobreza

“A pobreza”, como dizia Santo Inácio de Loyola, “é a mãe, o muro de contenção da vida consagrada” e “defende do espírito mundano”. O espírito de pobreza não é negociável, pois corre-se o risco de passar da “consagração religiosa” à “mundanidade religiosa”. Um percurso que tem três degraus:

“O primeiro: o dinheiro, ou seja, a falta de pobreza. O segundo, a vaidade, que parte do extremo de ser um pavão e vai até as pequenas coisas de vaidade. O terceiro: a soberba, o orgulho. E dali, todos os vícios. Mas, o primeiro degrau é o apego às riquezas, o apego ao dinheiro.”

 Paciência

Entende-se por paciência, “aquela que Jesus teve para chegar ao fim de sua vida”, a condição em que depois da última ceia vai ao Horto das Oliveiras. “Sem paciência se entendem as guerras internas de uma congregação”, “os carreirismos nos capítulos gerais”, e prossegue Francisco, “algumas decisões tomadas diante de problemas da vida comunitária como a perda das vocações”.

 Fecundidade espiritual

“Fiquem atentos à oração, pobreza e paciência”, disse Francisco, convidando os consagrados a seguirem essas “opções radicais” na vida pessoal e comunitária, e a apostar nelas. “Desejo que vocês continuem estudando e sendo fecundos na vida religiosa.”

“Nunca se sabe por onde anda a minha fecundidade, mas se você reza, é pobre e paciente, tenha certeza de que será fecundo. Como? O Senhor lhe mostrará. É a receita para a fecundidade. Você será pai, será mãe. É o que eu desejo para a vida religiosa: ser fecunda.”