SANTA TERESA DE JESUS

NADA TE PERTURBE
NADA TE ESPANTE,
TUDO PASSA,
DEUS NÃO MUDA.
A PACIÊNCIA
TUDO ALCANÇA.
QUEM A DEUS TEM
NADA LHE FALTA
SÓ DEUS BASTA!


(Santa Teresa de Jesus)

Pintura original – Século XVI
 

1- TERESA - SUA INFÂNCIA E JUVENTUDE

Teresa de Cepeda e Ahumada nasceu em Ávila – Espanha, a 28 de março de 1515. Foram seus pais: Dom Alonso de Cepeda e Dona Beatriz de Ahumada.

Graças à Historiografia moderna, conhecemos melhor as circunstâncias concretas do ambiente familiar de Santa Teresa. A falta de uma alusão à fidalguia de seu pai no relato que a santa nos faz em seus inúmeros escritos sobre sua família, não impediu que os hagiógrafos construíssem uma descendência de alta nobreza, um tópico que nunca falta nas biografias correntes. Os silêncios de Teresa acerca da verdadeira ascendência de seu pai se converteram em inconscientes falsificações dos apologetas de primeira e última hora, dos processos de canonização, de biógrafos incapazes de compreender que Teresa NÃO pertencia à alta nobreza.

Graças à investigação histórica dos últimos 40 anos, sabemos hoje que Teresa descendia de um avô Judeu (Juan Sanches), reconciliado em Toledo por volta do ano 1485, rico mercador, administrador de bispados, provavelmente odiado pelos “cristãos velhos” assim eram chamados os cristãos que não tinham nenhuma ascendência judaica, e os “cristãos novos” eram os Judeus que recebiam o Batismo cristão.

Assim conhecido e desprezado em Toledo, Juan Sanches com seus filhos, dentre eles o pai de Santa Teresa, Alonso de Cepeda, nascido em 1480, se traslada para Ávila. Seus filhos posteriormente, compraram o direito de fidalguia e casando com mulheres fidalgas conseguiram penetrar o setor desta baixa nobreza isenta de certos impostos, porém obrigados a viver sem trabalhar e de renda, para que pudessem dissimular seu verdadeiro estado. De fato, Don Alonso viverá sem ofício conhecido, dilapidará os dotes de suas duas mulheres — ficando viúvo, casou-se pela segunda vez, com D. Beatriz— e morrerá arruinado em 24 de dezembro de 1543.

Era o tributo trágico que deviam pagar aqueles castelhanos judeus, ansiosos por se integrarem numa sociedade racista com os de sua casta.

De seus 11 irmãos, santa Teresa foi “a mais querida.” Seus pais virtuosos e tementes a Deus, educaram na piedade e nos afazeres da casa.

Educada com esmero, ouvia nas longas noites de inverno, ao calor da lareira, a leitura da vida dos santos mártires, feita por seus pais. Animada por essas leituras, aos 7 anos Teresa sente a necessidade de fugir para a terra dos mouros com seu irmão Rodrigo, na esperança de poder alcançar o céu rapidamente, através do martírio. Fuga frustrada, pois um tio os encontra na saída da cidade e os conduz novamente ao lar paterno.

Mas o ideal da fuga – “QUERO VER A DEUS” — torna-se o seu HORIZONTE DE VIDA!

Na idade de 13 anos, Teresa perde sua jovem mãe, Dona Beatriz e a experiência prematura da orfandade leva-a aos pés da Virgem, a quem pede que seja sua Mãe.

Aos 16 anos o seu fervor religioso arrefeceu, entregando-se às vaidades próprias da idade juvenil. Seu pai a coloca como interna um ano e meio no Mosteiro das Irmãs Agostinianas. No relacionamento com uma santa religiosa, suas inquietações espirituais voltaram a manifestar-se e infundiu-lhe pensamentos e desejos de consagrar a Deus.

2- TERESA - SUA VOCAÇÃO

Em 1535, a 2 de novembro, aos 20 anos, Teresa foge de casa e entra no Mosteiro da Encarnação de Ávila para ser carmelita. Convencida de que no mundo não poderia encontrar o amor que tanto ansiava, resolveu ser religiosa, tendo novamente de fugir de casa, devido à desaprovação do pai.

Depois de três anos de vida exemplar, Teresa, gravemente enferma, foi obrigada a deixar o Convento para tratar-se. Durante este tempo, pôde tomar contato com algumas obras espirituais que tiveram influência determinante em sua vida, como o Terceiro Abecedário, de Francisco de Osuna, que tratava da oração mental.

Durante o verão de 1539, a enfermidade se agrava. Por três dias fica como morta; só a tenacidade de seu pai impede que a enterrem. Desta crise, Teresa saiu paralítica, e assim voltou a seu Convento em Ávila. Atribuiu o seu completo restabelecimento a uma intervenção de São José.

Durante este período Teresa passa por uma profunda crise espiritual, mas aos 39 anos, depois de contemplar uma imagem de um Cristo muito chagado, experimenta uma transformação íntima tão profunda, que, a partir desse dia, sentiu-se totalmente convertida, como se fosse outra mulher entregando-se sem condições à vontade de Deus.

Fez voto de fazer sempre o mais perfeito, rompendo absolutamente todos os laços que a prendiam às criaturas. DESDE ESTE MOMENTO, MORRE TERESA DE CEPEDA E NASCE TERESA DE JESUS.

3- TERESA - REFORMADORA DO CARMELO

Em 1560 – quando encontra na plenitude dos seus 45 anos – como fruto de uma intensa evolução espiritual, Teresa, numa pequena reunião de monjas e piedosas senhoras de Ávila em sua cela, onde falavam sobre a vida dos primeiros Carmelitas que viviam como eremitas, ouviu, meio em tom de brincadeira, a sugestão de fundar um pequeno Convento, constituir uma pequena comunidade, de poucas monjas — 13 por princípio, a exemplo do Colégio apostólico, Jesus mais os 12 apóstolos! Mais tarde ela mesma ampliou para 21 monjas.— onde o mais fielmente possível se reproduzisse o estilo de vida dos patriarcas do Monte Carmelo, observando-se a clausura estrita o silêncio e a pobreza absoluta, coisa estranha ao Mosteiro da Encarnação onde viviam, na época da santa, umas 180 religiosas, sem estrita clausura; e por causa da carência da Comunidade as monjas podiam sair para pedir esmolas; os leigos tinham acesso ao interior do Mosteiro e por isso, muitos abusos e relaxamentos foram introduzidos.

Na realização deste projeto, recebe do céu uma confirmação. Deixemos que ela mesma nos conte: “Certo dia depois da Comunhão, Sua Majestade me ordenou expressamente que me dedicasse a esse empreendimento com todas as minhas forças, prometendo-me que o Mosteiro não deixaria de ser feito e dizendo que ali seria muito bem servido. Disse-me que deveria ser dedicado a São José; esse santo glorioso nos guardaria uma porta, e Nossa Senhora, a outra; Cristo andaria ao nosso lado, e a casa seria UMA ESTRELA DA QUAL SAIRIA UM GRANDE RESPLENDOR...” (Cf. Vida, 32,11). Recebeu também ajuda e aprovação de seus confessores, especialmente de São Pedro de Alcântara, que influiu na determinação de uma pobreza absoluta.

A 24 de agosto de 1562, o repique de uma campainha anuncia a fundação do Mosteiro São José, em Ávila e a tomada de hábito das 4 primeiras Carmelitas Descalças. O gesto de Teresa desagradou seus Superiores da Ordem Carmelita e o novo Mosteiro teve a oposição do Conselho da cidade. Teresa teve que voltar ao Convento da Encarnação. O Mosteiro de São José, corria o perigo de ser suprimido pela autoridade civil. Tudo parecia perdido. Depois de uns meses de luta, vence Teresa. Em fins de 1562, o Conselho aprova a fundação; o Superior lhe permite regressar ao seu Convento; um Documento de Roma lhe dá amplas faculdades de FUNDADORA e legisladora.

O ambiente daquele “pombalzinho da Virgem” é maravilhoso. Mas logo o Senhor tira dali Teresa, convertendo-a em “mulher inquieta e andarilha” para que semeie em toda a Espanha Mosteiros como este. Desde 1567, até sua morte em 1582, fundou 17 Mosteiros femininos e 13 masculinos por toda a Espanha, que ficariam conhecidos como os dos CARMELITAS DESCALÇOS, por seguirem a primitiva observância, baseada no rigor e na pobreza. Por algum tempo, realmente, andaram descalços.

Clique na imagem para visualizar melhor

POR QUE CARMELITAS DESCALÇOS?

Era expressão e símbolo de pobreza e despojamento interior. Mais tarde, a prudência de Santa Teresa optou pelas sandálias de cordas que na época eram calçados muito pobres.

“Como Moisés, quando apascentava o rebanho, também nós somos chamados por Deus no deserto. Deus chama- nos pelo nome, assim como outrora chamou a ele: "MOISÉS, MOISÉS, TIRA AS SANDÁLIAS DOS TEUS PÉS, PORQUE O LUGAR EM QUE TE ENCONTRAS É TERRA SAGRADA". Assim nós hoje, para nos aproximarmos de Deus é preciso crer, despojar-se, DESCALÇAR-SE. Então, o Deus do Horeb se nos revelará, na intimidade de nosso ser, para nos tornar uma nova criatura: UM SANTO!

4 - O CARMELO MASCULINO

Porém, a alma de Teresa ainda quer mais. Seu coração missionário deseja estender a reforma das monjas aos frades. Preocupada com a base espiritual que necessitaria para realizar a expansão de sua reforma, Teresa pediu ao padre Geral, Frei João Batista Rubeo, que lhe concedesse autorização para a ereção de conventos de frades ‘carmelitas contemplativos’ que compartilhassem do mesmo espírito e ideais das Monjas, para assim poderem dirigi-las convenientemente e poder servir à Igreja com A ORAÇÃO E AÇÃO APOSTÓLICA.

Estando ela no Mosteiro da cidade de Medina del Campo, entrevistou-se com o superior do convento de frades que também havia ali, Padre Antônio de Jesus e ganhou-o para a reforma. Nesta ocasião chegou para celebrar sua primeira Missa, um frade débil e pequeno, Frei João de São Matias, depois, Frei João da Cruz. Gostou muito dele e expôs-lhe seus intentos, ganhando-o também. Cheia de alegria, disse às suas monjas: “Ajudem-me, filhas, a dar graças a Deus Nosso Senhor, porque já tenho um frade e meio”. O primeiro Convento de frades descalços fundou-se em Duruelo a 28 de novembro de 1568.

Os 20 anos de aventura fundacional de Santa Teresa são difíceis de reduzir a uma síntese. Seus livros e suas cartas testemunham até que ponto ela viveu as vicissitudes e conflitos de seus mosteiros de frades e monjas.

5 - TERESA E SUA PARTIDA

Teresa nem sempre gozou de muita saúde. Apesar disto, levou uma vida de intensos trabalhos, sobretudo nos últimos 20 anos.

Estando em viagem na cidade de Alba de Tormes, a 03 de outubro, pela tarde, pediu e lhe deram a comunhão, como viático. Disse para suas filhas que ali estavam ao redor de seu leito de morte: “filhas e senhoras minhas, perdoem-me o mau exemplo que lhes tenho dado, e não aprendam de mim, que tenho sido a maior pecadora do mundo e a que mais mal guardou a Regra e Constituições. Peço-lhes, filhas minhas, as guardem com muita perfeição e obedeçam a seus Superiores. Enfim, SENHOR, SOU FILHA DA IGREJA!” (As Constituições tinham sido recentemente aprovadas, no ano de 1581 em Alcalá.)

Morreu a 04 de outubro de 1582. Naquele mesmo dia houve a reforma do Calendário e começou-se a contar 15. Por isso, hoje comemoramos sua festa no dia 15 de outubro. Contava ela com a idade de 67 anos. Viveu na Ordem da Virgem do Carmo 47 anos, sendo que, 27 anos na antiga observância e 20 na Reforma Descalça.

6 - TERESA ESCRITORA E DOUTORA DA IGREJA

Teresa escreveu, mandada pela obediência, e em suas obras nos retrata sua alma e nos descreve sua própria experiência de Deus, ela deixa como herança para o Carmelo e a Igreja numerosos escritos onde podemos haurir uma doutrina sólida e que nos permite fazer a mesma experiência de Deus na oração: “SEI QUE NINGUÉM O TOMOU POR AMIGO, SEM ENCONTRAR CORRESPONDÊNCIA; POIS OUTRA COISA, A MEU PARECER, NÃO É A ORAÇÃO MENTAL, SENÃO TRATAR DE AMIZADE COM AQUELE QUE SABEMOS QUE MUITO NOS AMA, E ESTAR MUITAS VEZES CONVERSANDO A SÓS COM ELE.”

SUAS OBRAS MAIORES:

a) VIDA – Consta de 40 capítulos, é como uma sugestiva fita de cinema, onde faz passar as cenas de provas e regalos do Senhor.

b) CAMINHO DE PERFEIÇÃO – Escreveu-o entre os anos de 1564-1567. Consta de 42 capítulos. É mais ascético que místico. Ensina as suas monjas como viver sua vida, o sentido da mesma e a forma de cultivá-la com a oração mental.

c) AS MORADAS – também conhecido como CASTELO INTERIOR. A mesma santa definiu este livro como “uma jóia”. Descreve o caminhar da alma em sete etapas diferentes até a mais íntima união com Deus.

d) FUNDAÇÕES- É um livro histórico, escrito em diversas etapas, conforme ia fundando os Mosteiros. Entre os fatos históricos e vicissitudes traz também abundante doutrina espiritual e conselhos muito práticos.

e) EPISTOLÁRIO- Conservam-se apenas umas 446 das milhares de cartas, não menos de 15.000, que escreveu.

OBRAS MENORES:

— Relações espirituais – Pensamentos sobre o amor de Deus – Exclamações da alma – Constituições para as Monjas, que escreveu em fins de fevereiro de 1562, pouco antes de ser inaugurado o Convento. Com algumas poucas alterações seria este o texto base que definiria todas as futuras Constituições. – Modo de visitar os Conventos – Poesias – Avisos e escritos vários.

Na celebração litúrgica de 27 de setembro de 1970, na Basílica Vaticana, santa Teresa foi declarada “Doutora da Igreja Universal”, confirmando sua doutrina e espiritualidade como pertencentes ao tesouro universal da Igreja e não apenas da Ordem Carmelitana.